domingo, 6 de fevereiro de 2011

"Nunca será de ninguém..."

"(...) mas o quero de mil formas diferentes, o que é estranho. Por perto, sempre perto, continuando livre. Não sei se é possível, mas como nunca quis o possível... Penso que tenho asas e ajo por impulso. No segundo seguinte estou pensando em voar pra qualquer canto que ele esteja, qualquer um onde ele me queira... Qualquer um. E a cada dez pensamentos meus, ele está em quatro. Sugere um, passeia por outros três, me dá duas folgas e volta repetindo o ciclo a-v-a-s-s-a-l-a-d-o-r-a-m-e-n-t-e. Por propósito, desacostumei nomenclaturas achando provável querê-las da próxima vez que o ver chegar e me girar no ar. E desisto tornar convencional o que é extraordinário, e insisto não querer definir, absolutamente. Não sei se o amo... Tenho um coração. Juro ter um coração. Que só sente e não tem nome para o que ainda quer viver. Mas vive e o vê em tudo. E ele fica ali, parado. E não diz nada, e é dado início ao desespero de não tê-lo na distância que eu gostaria. E eu quero ser dele ainda que não seja. E eu, em juízo, sussurro que não. E todo o resto do tempo eu imploro para um sim que não tem tamanho..." (C, 6/2)


"Quando ela chora, não sei se é dos olhos para fora
Não sei do que ri.
Eu não sei se ela agora está fora de si
Ou se é o estilo de uma grande dama (...)
Quando ela mente...
Não sei se ela deveras sente o que mente para mim
Serei eu, meramente, mais um personagem efêmero da sua trama!? (...)
Talvez nem me queira bem, porém...
Faz um bem que ninguém me faz."

C. Buarque

Nenhum comentário: