sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Da recíproca e outras doçuras que incentivam a seguir

"(...) Não quero que deixes teus sonhos por comodidade, que deixe de ir atrás do que queres pra viver a vida como se fosse um espetáculo repetido. E quando assim a vida for, porque certamente em alguns momentos será, que cada apresentação seja vivida como a primeira. Não as mesmas escolhas ou roteiro, mas a mesma emoção.
E eu sei que ninguém faz isso sozinho. Por isso eu vou estar com você sempre que precisar. (...) Você é a pessoa mais (...) boa de 'andar' ao lado que já conheci. (...) Quando estiveres assim no futuro, mesmo que não tão participativa na minha vida como agora, eu quero poder te encontrar, te segurar firme pelo antebraço, como a gente faz pra se puxar, sabe? Olhar bem no teu olho e te lembrar, que por muitas vezes já foste 'mais homem' que eu... E é plenamente capaz de fazer isso mais uma vez."

(MOLINARI, Wilian. Rio do Sul: 19 de julho de 2011.)