sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Miragens tolas

Sem mais nem menos.
Sem remédio, sem desculpa...
Em horas tortas
Horas tímidas, ocultas.
Pelas esquinas de olhares indiscretos
O nosso amor...
Amor claro de objeto.
Sem dor ou crime,
amor simples e direto!
Entre os pássaros de barro descansando na estante
Pelas costas amarelas dessas fotos insinceras...
Descobri lindas mentiras, tão terríveis quanto belas
Digo o que fazer então, são memórias tão reais...
Do que nunca aconteceu.
Desenhei miragens tolas...
Nas margens do seu deserto!
E uma verdade impossível,
só pra ter você por perto...

Skank

Nenhum comentário: