segunda-feira, 7 de junho de 2010

Do it

Tá cansada, senta. Se acredita, tenta. Se tá frio, esquenta. Se tá fora, entra. Se pediu, aguenta... Se pediu, aguenta... Se sujou, cai fora. Se dá pé, namora. Tá doendo, chora. Tá caindo, escora. Não tá bom, melhora... Não tá bom, melhora... Se aperta, grite. Se tá chato, agite. Se não tem, credite. Se foi falta, apite. Se não é, imite... Se é do mato, amanse. Trabalhou, descanse. Se tem festa, dance. Se tá longe, alcance. Use sua chance... Use sua chance... Se tá puto, quebre. Tá feliz, requebre. Se venceu, celebre. Se tá velho, alquebre. Corra atrás da lebre... Corra atrás da lebre... Se perdeu, procure. Se é seu, segure. Se tá mal, se cure. Se é verdade, jure. Quer saber, apure... Quer saber, apure... Se sobrou, congele. Se não vai, cancele. Se é inocente, apele. Escravo, se rebele. Nunca se atropele... Se escreveu, remeta. Engrossou, se meta. E quer dever, prometa. Pra moldar, derreta. Não se submeta... Não se submeta...


Lenine!

Um comentário:

Rayana Iara disse...

Concordo que o Ésse, entre vogais, tem som de Zê.
Concordo também que nem por isso, o Ésse deixa de SER Ésse.

Com Lenine estamos bem, e vez em quando, entrando no embalo e querendo fazer som de Zê.
Um beijo.