sexta-feira, 7 de maio de 2010

Diário de bordo II

Pois, bem. Parece-me que agora, ao menos, ao fim da primeira semana, tenho uma vaga idéia do que estou fazendo na Distribuição do Fórum da 74ª... da 74ª... da 74ª... Ah, saber 74ª o quê é exigir demais de uma estagiária ao fim da primeira semana... Mas sim, distribuição era o nome do meu setor (eu enchia a boca pra falar meu setor tanto quanto pra falar minha área) e eu começava a compreendê-lo. Os termos, outrora (terça-feira) completamente gregos, agora já me eram sugestivos. Até que: Pimba! Acertei o primeiro código do cadastro das petições intermediárias de cabeça. Era um progresso que eu não ia esquecer tão cedo: 03 - Contestação. Meu olho brilhou. Já tinha uma porcentagem razoável de instinto burocrático correndo nas minhas veias, por mais pejorativo que isso soasse aos meus ouvidos.
E mais: Não era só das coisas profissionais que eu estava entendendo, era também das práticas: Agora eu já sabia que não havia problemas em deixar o celular ligado, ao menos não quando fosse pra receber boas notícias e quando fosse pra alertar minha mãe que a roupa de molho ainda não estava com amaciante. Para todos os efeitos, antes de deixá-lo ligado perguntei às veteranas se realmente não faria mal (ignorei o fato de que ontem o celular de uma delas tocou 4 vezes com "mensagens da claro". Aham, sei...) e, obviamente, elas no auge de seu funcionalismo público efetivo me responderam que "não... não... problema nenhum..." E o que esse "não, não" representava, ou até onde eu o interpretaria, além de atender o celular eu também poderia comer orelhas de gato na mesa (contanto que não derrubasse açúcar nos processos), dar voltas esporádicas para tomar um cafézinho na cozinha (descobri que há uma garrafa de café com leite, além da de café preto! e isso foi muito importante na minha etapa de reconhecimento do território...) e vez ou outra fumar um cigarro perto do estacionamento da promotoria (o que certamente eu não faria, mas ainda assim era uma possibilidade)!
Além de todas as descobertas, hoje o dia também me renderia uma pérola digna de relato no diário de bordo: "Mas... moça, aqui na identidade... Não tem número de RG! Só do CPF!" Explico a ele que RG é sinônimo de Registro Geral, e que é o número que consta na parte superior da carteirinha que ele segurava nas mãos. Ele me agradece infinitamente e sai tranquilo com sua certidão no bolso da jaqueta (sim, ele a amassou todinha, mas... esperamos que isso não seja um daqueles erros que costuma cair sobre os ombros... da ESTAGIÁRIA!)
Categoria: Aventura

Um comentário:

Dona ervilha disse...

Que delícia estas descobertas, hein? Te leio e lembro um pouco do meu passado. Atravessar os corredores do Fórum sempre foi coisa que fiz com muita atenção e respeito. Torço por ti. Sempre. Beijo.